Chick-lit...aonde enquadrar esse gênero de nome coquete e faceiro  e um tanto quanto depreciativo? Leitura despretensiosa, diversão, comédia romântica, escapismo...Chick lit é sapo ou é príncipe?
Foi interessante acompanhar a saga de nossos desafiantes do mês. Para alguns, a  leitura foi um pitel. Para outros, difícil de engolir. O que chama a atenção nos comentários da maioria é a indefinição do que vem  a  ser Chick-lit na prática.

Quem diria que por detrás de uma cortina de confete, o gênero traz  tramas espinhosas e controversas? Sim, há que se dizer: suas capas coloridas a estampar imagens de teor  engraçadinho, leve, vintage,  não são apenas vibe de riso. Entre a capa e a contracapa de um chick-lit, seus personagens, seres estereotipados, são como bobos da cortes que nos fazem rir, mas não escondem as marcas das tristezas em sua face.  

Portanto, um aviso aos navegantes, há vários chicks dentro dessa lit: os sérios, os espirituosos, os misteriosos, os  com tudo isso dentro, os que falam de coisa nenhuma e por aí vai. Então, quando sacarem um chick-lit da pilha, lembrem-se da versatilidade identitária que o acompanha.

Há que se ressaltar a tensão cultural presente nas falas dos participantes. Não vou citá-las aqui, porém quero que repercutam as questões que tais falas ensejaram: Os que apreciam livros do tipo são alienados? Chick lit entorpece os sentidos e desliga a consciência? Ou será que falta nos críticos pouca disposição para olhar e entender o gênero? 

Taí um tema que rendeu pano para manga.

Certezas? Uma. A de que só temos a ganhar com o confronto de idéias.

Desafio em números:

Marian Keyes foi a rainha do mês: 16 vezes lida.

Em segundo lugar, Sophie Kinsella, 14 vezes lida.


5 Comments

  1. Essa retrospectiva que você fez sobre o Desafio foi fantástica. Mostrou muito bem os diferentes sentimentos despertados pelos chick-list e que foi possivel ver nos comentários de cada blog. Existem aqueles que amam outros nem tanto.No fim o que importa é que existe diversidade e um espaço suficientes para todos os gostos de leitura, sempre respeitando e entendendo a opiniões das outras pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Pra mim, esse mês foi ótimo! Inclusive com um dos melhores livros que li este ano, o Estrela Píer.

    Acho que uma característica comum dos chick-lits é a leveza com que as histórias são contadas. Isso acaba sendo confundido e trazendo os preconceitos. Claro que existem aqueles cuja única pretensão é entreter, mas também tem os que nos fazem refletir. Leveza e profundidade podem ser características de uma mesma história o que só faz aumentar o mérito do autor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. foi interessante este mês. peguei gente que odiou o livro e outra que leu o mesmiço e adorou. muita diversidade.

    ri muito com o livro e o texto acima reflete bem as idas e vindas dos leitores.

    ResponderExcluir
  4. Ainda estou remando na leitura do Becky Bloom. É muito ruim. :/

    ResponderExcluir